IV FSMM – Crise Mundial, seus Impactos e resistências

Luiz Bassegio, Grito Continental

O Seminário realizou-se  no
dia 09 de outubro, promovido pala Comissão Espanhola de Ajuda aos
Refugiados – CEAR e contou com a participação do Grito dos Excluídos
Continental.

Ao tratar dos impactos da crise constatou-se a que ela  está
afetando a vida de milhões de migrantes através da destruição de
milhões de empregos e por outro lado aprofundando ainda mais a
exploração da mão de  obra trabalhadora. Nos países de origem aumenta a miséria que  obriga
a milhões de pessoas a abandonar suas casas e famílias. Por um lado
agravam-se cada vez mais as condições de vida dos migrantes e por outro,
a resposta dos grandes centros do poder tem sido a de salvar os bancos e
as principais indústrias.

Como se não bastasse a deterioração das condições de vida dos migrantes,  aumenta a tendência da criminalização  dos migrantes e dos que lutam em defesa dos mesmos. É a criminaliza-se a solidariedade.

Tal tendência se expressa, por exemplo, nas legislações anti-imigrantes como  “Lei
Arizona” e a Diretiva de Retorno européia. A aplicação de tais leis faz
aumentar a xenofobia e o racismo e culpabiliza os migrantes pela perda
dos empregos.

A  crise provoca  nova
tendência em relação aos fluxos migratórios, são as migrações
provocadas pelas mudanças climáticas. Estudos prevêem que no ano de
2100, os migrantes desplazados e refugiados por mudanças climáticas, atingirão a cifra de 200 milhões.

  ResistênciasA pesar de todos as conseqüências da  crise
que atinge aos migrantes, existem várias formas de lutas de resistência
articuladas em torno dos movimentos dos migrantes e dos movimentos
sociais em geral.

Avançam
os debates sobre a conquista de uma cidadania universal entendida como o
acesso aos direitos de todas as pessoas independentemente da situação
dos papéis.  O Grito dos Excluídos/as questiona
radicalmente a idéia de que os direitos dependem de uma pessoa ser
nacional de um país e aponta para a necessidade de reconhecer os
direitos, para todo o ser humano, pela sua condição de humano.

A
integração dos povos apareceu nos debates como sendo uma das principais
lutas que ajudam a superar a crise; ela aponta para o reconhecimento
dos direitos, a livre circulação das pessoas, o direito à participação
política e a não criminalização das pessoas migrantes.

Enfim,
a busca de um novo modelo de sociedade que garanta a satisfação dos
direitos sociais básicos como, educação, saúde, habitação, segurança,
segurança alimentar, previdência e assistência social.

O seminário foi concluído fazendo eco a um dos slogan que será proclamado no dia 12, no momento do Grito dos Excluídos,  por ocasião da marcha dos movimentos sociais:

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Puedes usar estas etiquetas y atributos HTML:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>