Ingresar

Militarização e Criminalização: as duas faces do Império

Fecha de publicación: 12 agosto, 2010

Com a participação de mais de 120 pessoas, realizou-se o seminário “Desenvolvimento, Militarização e Criminalização”, no dia 12, como parte do IV Fórum Social Américas, tendo em vista debater as agressões e ameaças aos direitos humanos no continente.

De várias formas, os
EUA tentam garantir sua hegemonia na AL:  instalação  de bases
militares, presença de  Quarta Frota Naval, treinamento de tropas,
controle das riquezas naturais com a água e os minérios. Tal estratégia
se realiza principalmente controlando os pontos estratégicos como as
ilhas do  Caribe, bem como através das bases militares na Colômbia e a
presença no Paraguai.

Segundo Ana Esther  Ceceña, do México,
especialista no tema, a América Latina é para os EUA a principal base
para garantir sua hegemonia econômica, política e  militar. AL é sua
base para tudo,  é o seu principal suporte. Segundo ela: “lhe interessam as imensas riquezas naturais, as jazidas de água e os minérios. É muito importante ser auto-sustentável num momento em que há muitas guerras no mundo”.

A importância do continente aumenta,  por que por ele
passa um dos principais caminhos para as mercadorias, e para as forças
armadas; trata-se do  Canal do Panamá. O continente também tem o maior
mercado do mundo e é o maior consumidor. Tudo isso faz da AL um lugar
muito importante e estratégico. Explora-se o petróleo aqui, para fazer
um contraponto ao Oriente Médio. Portanto a AL é o ponto básico sobre o
qual se assenta a hegemonia norte-americana. Há toda uma rede de
controle dos pontos estratégicos no Caribe,  para garantir a maior
jazida de petróleo do Continente.

Ainda segundo Ana Esther, um
outro ponto estratégico para o controle, é a Colômbia, que tem como
missão garantir a implantação na região, as políticas dos EUA. Neste
sentido, Israel também  cumpre este papel no Oriente Médio.

Mas, é a partir  do ano 2000 que avançou ainda mais a tentativa de garantir a
hegemonia norte-americana na região.  Além do controle nas ilhas do
Caribe e da Colômbia, Paraguai é o país que também lhe permite o
controle da região, seja pela sua posição geográfica, seja pela riqueza
da água e dos minérios. Os EUA, podem, a partir de Colômbia e do
Paraguai, atingir em 3 ou 4 horas, qualquer ponto da AL, onde sua
presença se faz “necessária”. Outra proposta é a de estender o Plano
Colômbia no Paraguai. Justifica-se a presença no Paraguai, pelas
supostas operações do Exército Popular Paraguaio, que segundo EEUU, este pequeno grupo “põe em perigo a segurança da região”.

Não se pode entretanto garantir a hegemonia apenas através do controle militar. É a estratégia do convencimento, justificando a presença para combater a
criminalidade e dar segurança para a região. Sua  presença irá “proteger os povos do continente”...  O simples fato de difundir as notícias
sobre os supostos perigos  que enfrenta a seguridade do continente, para os EUA já justifica as ações e o avanço da militarização.

O
cerco se completa através das bases militares no Panamá e no México, 
com um Plano parecido com o da Colômbia, através da criação de  centros
de capacitação, grupos de segurança supervisionados pelos EUA. Desta
forma, México contribui para implantar as políticas ianques na região. A recente ocupação militar da Costa Rica, com mais de 7 mil marines,
barcos e aviões militares, porta-aviões e armamento pesado, reflete as
ameaças sobre processos como o bolivariano e o cubano, e o intento dos
EUA de garantir por todos os meios o seu controle hegemônico do
continente.

No caso do Haiti, a partir do terremoto, o fato
permitiu de colocar ali a sede do Comando Sul. Além disto,  foi
instalada na região a Quarta Frota, móvel, que pode-se deslocar para
qualquer região que for necessário.


Fuente: Secretaría Grito Continental
Última modificación: 10 de enero de 2011 a las 16:24
Hay 0 comentarios
For security reasons you need to type the text displayed in the following image <img src_="/captcha/image/b2df6ed2eecb44051d33ea999b3e4a46216e6ab2/" alt="captcha" class="captcha" /> <input type="hidden" name="captcha_0" value="b2df6ed2eecb44051d33ea999b3e4a46216e6ab2" /> <input type="text" name="captcha_1" />